Esoterismo, Lendas, Mitos, Parapsicologia, Auto-Ajuda. kiber-sitherc@sapo.pt

25
Out 09

 
            Vimos no número anterior a técnica mais simples para desligar o pensamento; desvalorizá-lo e não lhe dar importância alguma, porque ele na verdade não é real. Tudo aquilo que nós aprovamos e acreditamos processa-se no nosso cérebro como uma realidade.
            Quando o pensamento negativo está enraizado na mente, por vezes torna-se difícil erradicá-lo, como uma erva daninha, terá que ser arrancado, antes que se alastre e provoque a infelicidade e a doença. É possível erradicá-lo de uma só vez para que não nos volte a importunar. Os mesmos pensamentos poderão ser controlados para que não andem a acatar-nos; espreitando-nos para nos deprimir e impedir-nos de sermos felizes.
            Vejamos os vários métodos para deter o pensamento:
            O método da desvalorização do pensamento: consiste em desvalorizar o pensamento que nos inquieta, que em cima me referi e que foi desenvolvido no mês anterior.
            O método “Stop”: consiste em quebrar os pensamentos incomodativos de uma maneira rápida, quando eles nos aparecem. Quando surgirem pensamentos negativos, visualize na sua mente um sinal de “Stop”. Imagine uma voz forte e enérgica que lhe diga: “Já basta” Pense em bloqueá-lo, e mude o pensamento para um positivo. Um pensamento enraizado demorará mais tempo a quebrá-lo. Faça esse exercício persistentemente, com a prática o seu cérebro fará isso de uma maneira automática.
            O método de troca: consiste em fazer parar mentalmente a “imagem”, que o incomoda. Depois dar-lhe relevo: brilho, destaque e trocá-la por outra positiva. Exemplo: suponhamos que está triste por algo que lhe aconteceu; congele essa imagem, ponha-a imóvel, dê-lhe brilho, aumente-a em tamanho, depois troque-a por uma positiva, não esquecendo de lhe dar relevo, brilho e destaque à imagem posterior. Depois desligue, e pense noutros assuntos positivos, pois convém, para não entrar na obcecação mental.  
            O método da manipulação: é o mais criativo de todos eles, porque consiste em manipular o pensamento através dos nossos sentidos.
            Se você não gostar de um canal de televisão poderá mudar de programa, escolher o que lhe convém, baixar o som e inclusive desligar. O mesmo se passará com os seus pensamentos negativos; é tão simples como desligar o interruptor da luz.
            Com a mente poderá fazer o mesmo: é possível desligar-se de todos os pensamentos irritantes através da manipulação dos sentidos.
            Visualize uma cena que o tenha incomodado. Use a audição e experimente baixar o som como faz ao televisor, agora tire o som totalmente do diálogo interior persistente, visualize que no diálogo apenas os lábios se mexem. Veja a diferença de estar sem som. As tais palavras enfadonhas que quase lhe furavam os tímpanos desapareceram. Agora experimente fazer o mesmo à imagem inquietante que o perturba. Escureça-a cada vez mais, reduza-a a uma pequenez insignificante, até que desapareça.
            Se na sua mente, permanece a lembrança da desagradável voz de alguém, poderá modificá-la pela manipulação auditiva. A voz irritante poderá tornar-se a fala de um cómico palhaço, ou de um desenho animado. Com a técnica da manipulação, poderá visualizar a tal pessoa enfadonha, como um insignificante pigmeu, a uma pequenez exagerada.
            Lembre-se, quando se irrita ou se aborrece, amplia na sua mente essa imagem; quando desvaloriza essa emoção, a sua mente a reduz e a circunscreve.
 
PROF. KIBER SITHERC

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 14:45

23
Out 09

 

 

          “ Yo no creo en brujas. Pêro que hay. Las hay. Foi essa a expressão do Sancho Pança, que Miguel Cervantes, popularizou no seu livro: D. Quixote.
            Passados centenas de anos, os nossos vizinhos espanhóis deparam-se agora com as ameaças de um bruxo de 57 anos, com o consultório em Rincón de la Victoria, perto de Málaga. “Eu não sou anti Real Madrid. Não tenho nada contra este grande clube. Sou profissional e pagam-me muito bem para usar os meus poderes. Contrataram-me para que o Cristiano Ronaldo sofra uma lesão grave. Não posso assegurar que se vá tratar de uma lesão grave, mas sim que ele estará mais tempo de baixa do que a jogar. A pessoa que me contratou é famosa e conhece pessoalmente o futebolista”, garantiu o bruxo numa entrevista ao jornal El Mundo.
            O bruxo não tem qualquer problema com o português (nem sequer é adepto do Barcelona, grande rival do Real Madrid). “Pessoalmente, gosto bastante do rapaz. Mas imagino que ele também goste muito dos guarda-redes a quem marca os seus golos. Ele é um profissional e eu também. Este é um processo progressivo. Para já, frente ao Tenerife, quebrou o seu ciclo de golos, foi substituído e com mal-estar”, remata o bruxo, com ironia à mistura. Não só o bruxo se considera um profissional na sua arte, como também se aproveita de qualquer azar do Ronaldo, para se aproveitar que foi bruxaria sua.
            O Real Madrid não deu a mínima importância ao assunto, chamou-lhe uma “loucura a tantas outras por que o clube passa” e o próprio jogador também não se deixou intimidar. Parece que a indiferença do clube e do “craque”, irritou tanto o bruxo que ele próprio escreveu uma carta ao presidente do clube: “Senhor presidente do Real Madrid, Florentino Pérez: “Já que você me desafia com o seu regresso ao Madrid, comunico-lhe que a partir de agora, Cristiano Ronaldo não vai ser a sua estrela da equipa, já que vai passar mais tempo de baixa do que a jogar. Não é nada pessoal, mas o senhor desafia-me e eu respondo, e vamos ver quem ganha. Atentamente…”
            Mas, quem foi a pessoa que contratou o bruxo? Perante a insistência dos jornalistas, Pepe levantou o véu. Divulgou que era uma mulher estrangeira rica, tinha sido traída por Cristiano Ronaldo e queria fazer vingança. Ela contratou-o para acabar com a carreira do jogador. Não quis revelar a identidade da mulher “mistério”, que o contratou, declarou ao Correio da Manhã já ter recebido 15.000 euros pelos serviços. Perante tanta insistência dos jornalistas referente à mulher “mistério”, o bruxo deixou umas dicas: “não fala espanhol, não é portuguesa e tem menos de 30 anos”. A imprensa logo encontrou suspeitas: a americana multimilionária Paris Hilton e a modelo Nereida Gallardo, já que namorou com elas durante algum tempo, tendo depois desistido do namoro “por falta de tempo”, segundo o próprio.
            Pepe deixou-se fotografar com um boneco com a foto e o nome do jogador na mão, reivindicou logo a lesão, sentida pelo jogador do Real Madrid contra o Olympique de Marselha.
            Garantiu o bruxo Pepe, que dentro de “quatro meses, no máximo”, o jogador português, do Real Madrid, voltará para o seu país e “nunca mais jogará futebol”. O espanhol admitiu ainda que, se seu trabalho der errado, isso seria “fatal” para a sua “credibilidade” disse numa entrevista ao Correio da Manhã.
            Também à espera de protagonismo, surgiu o António Nogueira, conhecido em terras lusas por “o bruxo de Fafe”. Este começou a divulgar pelos jornais que tinha sido contactado por um membro da família do jogador para “contra-atacar a magia negra”.
            Depressa se tornou o bruxo de Fafe numa estrela na imprensa espanhola, dizendo a mesma que tudo isso se vai transformar numa luta ibérica de bruxaria. “Já dei uma entrevista ao jornal El Mundo, e a TVE vem a Fafe nos próximos dias para falarmos sobre a alegada magia que fizeram ao Cristiano Ronaldo”. Referiu António Nogueira, o bruxo de Fafe, depois de mais uma entrevista para a “Marca”, o maior jornal desportivo espanhol.
            O António Nogueira, para evitar concorrência, desvalorizou os poderes do seu rival Pepe: “O Cristiano Ronaldo não tem magia nenhuma. Teve o azar de se lesionar e de o médico da selecção portuguesa de futebol ter dito que ele podia jogar contra a Hungria, agravando mais ainda a lesão”, disse o bruxo de Fafe.
            Mas em Espanha, Pepe, insiste que fez magia negra ao jogador português e que nada o fará voltar atrás.
            “O máximo que o tal homem que diz que é bruxo pode ter feito, foi uma feitiçaria psicológica para atormentar o Cristiano e a família”, frisou Fernando Nogueira.
            O bruxo de Fafe, prometeu entregar pessoalmente, num jogo de futebol Portugal-Malta, “um amuleto contra o mau-olhado”. Se não estiver presente, o amuleto vai pelo correio até Madrid para proteger o nosso jogador de alguns loucos que há em Espanha”, finalizou o bruxo de Fafe.
            Entretanto, o bruxo espanhol, numa entrevista à imprensa espanhola confessou saber que a mãe de Cristiano Ronaldo contratou o “bruxo português Fernando Nogueira, que usa magia branca”, e salientou: “Minha magia é negra, e isto acelerará o processo. Esta é uma combinação explosiva e Ronaldo é quem vai sofrer as consequências”.
            Para não ficar de fora, surgiu outro bruxo de nome Souleymane, do Senegal, que afirma a “pés juntos” que foi contratado por Diarra e mais um jogador do Marselha. Segundo, o bruxo africano, os atletas do clube francês queriam lesionar Ronaldo para este “deixar de ser racista”.Diarra, afirmou que essa informação é uma invenção, que nunca iria pedir a um bruxo para lesionar qualquer colega de profissão.
            Como é que as coisas se vão desenrolar?!
            Será que o Cristiano Ronaldo ficará inválido, devido à bruxaria do Pepe e acabará numa cadeirinha de rodas?
            Quanto ao clube do Real Madrid. Será que o mesmo será extinto e as suas instalações se converterão num salão de matraquilhos?
            E qual será o futuro do António Nogueira, “o bruxo de Fafe”. Será que Sócrates o solicitará para resolver a crise nacional?
                Façam apostas. Eu prometo voltar em breve com este tema.  
PROF. KIBER SITHERC
 
 
Cristiano Ronaldo na Liga dos Campeões
 
 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 19:18
tags:

22
Out 09

 

  

 

               Na Idade Média, a bibliomancia foi utilizada para esclarecer casos duvidosos a respeito da culpabilidade ou inculpabilidade de pessoas envolvidas em processos de bruxaria. A prova era feita da seguinte forma: colocava-se o suspeito num dos pratos de uma grande balança. No outro, a bíblia. Se o peso da pessoa fosse maior que o do texto, ela era culpada. De qualquer forma, se um bruxo de verdade fosse julgado e utilizasse um feitiço para pesar feito uma pluma, seria condenado à mesma pela Inquisição.
                Esta mancia nasceu entre os povos que possuíam um livro sagrado. Já os antigos Israelitas praticavam esse processo, quando pretendiam algum esclarecimento quanto ao futuro. Os cristãos usavam-na igualmente, pois julgavam que Deus se revelava por intermédio desse sistema.
 
 
 
                 Este sistema gozou de muita popularidade em Roma, nos primeiros tempos do Cristianismo. Santo Agostinho, chegou a condenar tal prática, assim como outros bispos da Igreja, por aplicarem a bíblia a assuntos mundanos. O próprio Santo Agostinho confessou que ele próprio recorria a essa prática em casos de dificuldade espiritual.
                Apesar de a bíblia ser escolhida por excelência para esse fim, recentemente os clássicos: Homero, Virgílio e Shakespeare tornaram-se mais populares.
                O método é fácil, consiste em formular uma pergunta. Em seguida pegue numa Bíblia e abre-a ao acaso com os olhos fechados, depois clique com o dedo ou um alfinete, ou outro objecto pontiagudo. Depois interprete. Poderá ser um versículo, uma frase, ou especificamente uma palavra. Poderá usar o sistema binário, do sim ou do não, ou um concelho mais elaborado e convincente.
 
 
 
 
                Se clicar num espaço em branco, ou se a resposta for imperceptível, tente outra vez. O máximo até três vezes, se a resposta continuar a não ser lúcida, nem esclarecedora, desista e experimente noutro dia. Nem sempre o destino nos quer falar.    
                 Obterá bons resultados se praticar com a máxima concentração e confiança.
                Guarde religiosamente, o alfinete, ou o objecto que usar para esse fim.
 
 PROF. KIBER SITHERC
 
 
 
 
kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 12:18

20
Out 09

 

 
            Há cerca de um milhão e meio de anos, surgiu em África o Homo erectus, que se caracterizou pela sua coluna vertebral erecta. Factor que foi decisivo na sua evolução, a sua estrutura erecta, permitiu um desenvolvimento impar, que se distanciou de todos os outros animais.
            Devido à nossa posição elevada, somos os únicos que podemos contemplar e abraçar até ao infinito as estrelas. Sonhar com o horizonte do espaço, sendo essa a nossa última fronteira. Apesar de termos feito tantos progressos, ainda há muitos humanos que parece que ainda não desceram das árvores, que se comportam como os primatas!
            A característica de uma pessoa deprimida, fracassada, frustrada e abatida é representada por costas curvadas, os ombros inclinados, caindo para a frente, figura desajeitada e triste. Andar lento e pesado. Olhar vago, por vezes fixando o chão e respiração fraca. 
            Lembre-se, há uma lei universal no esoterismo e na psicologia, que tudo o que é ascendente é positivo; e o que é descendente é negativo. Ciências como a grafologia, quirologia, e onirologia (interpretação dos sonhos) baseiam-se nesse facto.
            Os pesquisadores da linguagem do corpo, sabem que as nossas representações internas (pensamentos criados pelo cérebro), se exteriorizam e reflectem-se na nossa postura corporal. Se você estiver num estado e comportamento negativo e frustrante, seu cérebro automaticamente influencia sua fisiologia: postura, respiração, energia, tensão muscular e relaxamento. Se olhar para o espelho num estado negativo, realmente vê um rosto triste e abatido, devido aos pensamentos depressivos que se originaram no cérebro. Estar triste ou alegre foi uma representação interior que criou a sua mente, e tudo isso influenciou a sua expressão corporal.
            Se você modificar a sua fisiologia, automaticamente influencia os seus pensamentos e comportamentos. A representação interna e a fisiologia trabalham juntas numa conexão cibernética. O que atinge uma automaticamente atinge a outra. Por isso, se houver mudanças de estado de espírito, envolvem mudanças de representação interna e fisiologia.    
            Se estiver triste, e abatido não se ponha numa posição de cabeça inclinada, chorando e enrolando-se numa posição fetal. Ponha-se de pé, não inclinado, nem dobrado, bem direito, mas não rígido, nem tenso, mas descontraído e elevado. Respire profundamente, levante a cabeça, olhe para cima. Ficará surpreendido ao verificar que o seu estado melhorará rapidamente, porque transmitiu ao cérebro a sua autoconfiança e elevação positiva.
            A maneira como ficamos de pé ou sentados enroscados, tem muito que ver com a maneira como estamos nos sentindo. Ao se aprumar, começará também a pensar direito. Movimento o seu corpo, caminhe levemente, concentrando-se como se tentasse atingir algo mais alto com a ponta da cabeça. Dê largas passadas, com harmonia e elegância. Não cruze os braços, o que tornará uma pessoa defensiva, relaxe-os ao caminhar como pêndulos.
Reparará como se sentirá leve, deixará de tropeçar, porque toda a sua estrutura estará elevada, a coluna vertebral ficará erecta, todos os canais vitais, ficarão mais funcionais, incluindo a medula espinhal, que por meio dela o cérebro, controlará o seu corpo de uma forma positiva. Dessa maneira, seu cérebro recebe uma nova mensagem sobre como se sentir positivamente. Suas sensações e emoções, mudam quase no mesmo instante para se sentir cheio de vitalidade, autoconfiança e tranquilidade.           
           

PROF. KIBER SITHERC

 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 01:15

 

 

 
            O ser humano é um animal pensante e essa característica distinguiu-o dos outros animais. Toda a nossa evolução se deu graças a essa faculdade de pensar e de armazenar os conhecimentos adquiridos.
            Apesar dessa faculdade de pensar, e de toda a primazia intelectual e conforto material, o ser humano perece de sede, ainda não conseguiu alcançar a felicidade. É certo que ele próprio tem vasculhado esse caminho, mas flutuando por atalhos.
            O grande problema do ser humano está no seu próprio pensamento, o seu maior inimigo está dentro dele. Somos os criadores dos nossos pensamentos que nos libertam ou nos escravizam. Eles não resultam das circunstâncias; vêm do nosso interior, não do exterior. O que pensamos interpreta e determina o que vemos, embora muitas vezes nos pareça o contrário. 
            Para que o leitor entenda melhor, que é o pensamento que determina e não a circunstância; vejamos o seguinte exemplo: suponhamos que lhe transmitem a notícia dum amigo que tenha morrido há um mês, é natural que fique emocionado e triste. O acontecimento ocorreu há muitos dias, no entanto, quando pensa nele fica triste. Não foi o acontecimento em si que fez sentir-se triste. Afinal ocorreu o falecimento há um mês e você nem sequer tinha conhecimento. Foram os seus pensamentos que criaram o sentimento de consternação. A ocorrência foi real, mas não teve qualquer impacto sobre si até lhe poder dar vida através do pensamento.
            Outro exemplo: suponhamos que vai conduzindo em direcção a casa, pela rádio ouve uma notícia dum incêndio no seu bairro, então começa a pensar: “Será que o incêndio foi na minha casa?” Pelo caminho pensa que os filhos ficaram sozinhos em casa, que eles têm o hábito de brincarem com os fósforos, vêm-lhe ao pensamento as notícias de incêndios relacionados com crianças. Então fica aflito e acelera para chegar o mais depressa possível. Quando chega a casa, fica aliviado o incêndio aconteceu muito longe da sua habitação.  
            Foi a sua emoção mais uma vez criada pelos pensamentos que teve sobre a ocorrência e não pelo acontecimento em si. Quando você tem um pensamento e acredita que ele é autêntico, sente uma resposta emocional correspondente a esse pensamento. Os seus pensamentos dão sempre origem às emoções que sente.
            Você poderá não dar por isso, porque pensar e divagar é tão natural como respirar e dormir.
            Os pensamentos não são reais eles passam pela sua cabeça durante o dia aos milhares, e só alguns são detidos, porque lhe deu importância e algum valor, dessa maneira o pensamento fica enraizado na sua mente e é natural que germine.
 Os pensamentos são como sementes; se eles encontrarem uma terra propícia para germinarem aí darão fruto. Têm uma grande força magnética para atrair a sorte; assim como a destruição com a sua onda energética. É você que lhe dá vida quando o processa na sua mente, dando-lhe desse modo uma interpretação e atribuindo-lhe significado e importância.
            É o pensamento que vai vasculhar toda a memória do pó do passado, que o fará sofrer por algo que já se extinguiu; também é o pensamento que o fará preocupar-se em relação ao futuro. É impossível sentir medo, sem antes ter pensado no medo, sentir raiva, sem antes ter tido pensamentos de ódio. Ter consciência e compreender que é o pensamento que determina o seu estado de espírito, que o pensamento é apenas uma capacidade de analisar e não uma realidade, será fácil dos afastar para longe de si.
 

Prof. Kiber Sitherc

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 00:08


contador
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds

contador
pesquisar
 
mais sobre mim
blogs SAPO