Esoterismo, Lendas, Mitos, Parapsicologia, Auto-Ajuda. kiber-sitherc@sapo.pt

15
Jun 11

 

            Marte está em exílio no signo da Balança. Quer dizer, a sua influência é muito fraca. A agressividade e a violência não ocupam grande espaço na personalidade do nativo deste signo. Todavia, sob esta influência, podem acontecer algumas explosões. Depois de longos períodos de tranquilidade. Pode ver-se o indivíduo picar-se à menor observação, já não suportar a menor crítica e aproveitar a primeira ocasião para exprimir, com a maior energia, o seu fastio e cansaço ou a sua recusa, a sua oposição.

 

            Este diplomata nato tornar-se-á belicoso e poderá, eventualmente, transformar-se numa faísca de guerra. Marte passa no seu céu. E, depois de ter passado, tudo volta à calma.

 

            Na mulher, esta influência é ainda menos perceptível, em geral, e as crises de violência são muito menos marcadas, porque ela é demasiado fina e equilibrada para se deixar levar por arrebatamentos que não são nem harmoniosos nem encantadores. A sua subtileza serve-a e, para não se mostrar sob um aspecto menos simpático, prefere lutar contra os seus sobressaltos íntimos e não responder às provocações. Com ela, a querela é impossível; esquiva-se às piadas do adversário e não pode responder aos golpes.

 

            Com aspectos positivos revela uma pessoa amorosa e demonstradora dos afectos, com amigos e dedicações pessoais. A energia é investida no parceiro, têm necessidade de alguém que os complete. Tensões internas desmotivadas. Amor a tudo o que é justo e equitativo. Fobia da solidão.

 

            Com aspectos negativos revela instabilidade e dúvidas. Variedade de sentimentos; amor aventureiro. Possível casamento devido a impulsos e circunstancias prematuras. Fraqueza renal.

 

PROF. KIBER SITHERC

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 00:03

09
Jun 11

 

            Romão Wachowicz, de origem polaca, desde muito cedo imigrou para o Brasil. Ele relata depoimentos de algumas pessoas não nominadas, “contados com tanta seriedade como se fossem depoimentos sob juramento”. Entre Guarapuava e Lagoa Grande, em Araucária, media 300 quilómetros.

 

            O senhor Paulo morava no distrito de Pinhalão. Recebeu uma carta com a triste notícia de que o seu irmão em Lagoa Grande estava muito doente. Ao anoitecer, dirigiu-se à taberna próxima, para dissipar as tristezas.

            – Por que essa tristeza? Pergunta um velho caboclo.

            – Meu irmão ficou doente e mora muito longe daqui.

            – Se quiser eu levo você.

            – De jeito nenhum... Você não tem cavalos, nem carroça; vai de quê?

            – Isso é comigo. Se quiser, ainda hoje vamos fazer uma visita ao seu irmão, mas você terá que fazer o que eu mandar.

            – Se o preço não for muito alto, concordo.

            – Espere um pouco. Daqui a pouco estou de volta com todo o equipamento.

            Sem demora apareceu um enorme cachorro de três pernas, sendo que a quarta estendia-se em forma de cauda.

            – Sente-se! grunhiu entre os dentes o negro animal.

            – Não, não! Estou esperando pelo veículo encomendado.

            – É esse mesmo.

            – Mas eu tratei com o Benedito.

            – Eu sou o Benedito!, obedeça! Trato é trato! grunhia o canzarrão, com os olhos verdes brilhando.

 

            Paulo coçava a cabeça e não sabia o que fazer. O cachorrão fez um movimento e envolveu-o, grunhindo decidido. O passageiro, com um pulo, envolveu-se nos longos pelos do dorso do animal.

            O lobisomem urrou alegremente:

            – Segure-se, porque vamos!

            Meia hora mais tarde, estavam em lagoa grande, 300 quilómetros adiante! 

 

PROF. KIBER SITHERC

 

 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 22:51

06
Jun 11

 

            O planeta Vénus tem o seu domicílio na Balança, e ao mesmo tempo no Touro. Traz consigo a beleza, e os nativos do signo têm, geralmente, uma estatura e traços bem proporcionados; ele proporciona encanto, e os nativos do signo fazem dele grande uso. É a sua principal qualidade.

 

            Se o indivíduo é um homem, admirará sempre a beleza feminina. Amará muitas vezes e bem. Depois, fixar-se-á numa felicidade conjugal próxima da perfeição, pois ele parece ter vindo ao mundo para o casamento, ao contrário da maior parte dos homens. No lar, trará uma atmosfera de amável serenidade e de sexualidade facilmente partilhada. Isto, sob reserva de que tenha escolhido bem e encontrado a mulher dos seus sonhos. Mas Vénus guia-o e inspira-o; será, pois, espantoso se enganar…

 

            Se o indivíduo é uma mulher, será bonita, terá muita graça, deixar-se-á atrair com muita facilidade e tentará ligar-se muitas vezes, mas por pouco tempo, até que encontre a alma gémea, com a qual construirá a morada da felicidade, à qual se entregará por inteiro. Gostará de brilhar no mundo e será. Efectivamente, notada e admirada.

 

            Com aspectos negativos revela extravagâncias no vestuário, porte e exteriorizações pessoais. Volúvel e inconstante. Artista e boémio. Instabilidade no amor. Infidelidade, estão prontos para toda a espécie de ligações.

 

PROF. KIBER SITHERC

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 21:56

04
Jun 11

 

            Deméter (também conhecida por Ceres), na mitologia grega, era o nome da deusa que cuidava da terra fértil, do plantio e da colheita, juntamente com sua filha, Perséfone.


            Diz o mito que, um dia, Hades, o deus do mundo inferior, se apaixonou por Perséfone e a raptou. Deméter, desesperada, saiu do Olimpo em busca de sua filha e, durante nove dias e nove noites, vagou em vão. Hélio, o deus sol, vendo a angústia de Deméter, contou-lhe que Perséfone havia sido levada por Hades.


            Durante o tempo em que Perséfone estava no mundo inferior, Hades lhe deu uma romã para que ela comesse. Quando Deméter chegou para resgatar a filha, soube que não conseguiria, pois uma vez que ela havia se alimentado no reino de Hades, não poderia deixá-lo.


            Muito entristecida pela falta de Perséfone, Deméter não voltou ao Olimpo e a população começou a sofrer com a escassez de alimentos, pois a deusa não estava mais exercendo sua função de promover a fertilidade da terra. Zeus, sabendo o que ocorria, chamou Hermes, o deus mensageiro, para que ele fosse até Hades e o convencesse a devolver Perséfone.


            Sob a ameaça de Zeus, Hades consentiu que a filha de Deméter voltasse para a mãe, desde que passasse um terço do ano com ele, no mundo inferior. Este período do ano corresponde ao inverno, pois Perséfone está com Hades, e Deméter, sentindo sua falta, não consegue ajudar no plantio e na colheita, como nos outros períodos do ano.


            Esta é uma versão do mito, assim como a explicação para o surgimento das estações do ano é uma forma de interpretá-lo.

 

PROF. KIBER SITHERC

 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 21:41
tags:


contador
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds

contador
pesquisar
 
mais sobre mim
blogs SAPO