Esoterismo, Lendas, Mitos, Parapsicologia, Auto-Ajuda. kiber-sitherc@sapo.pt

21
Dez 10

 

            A psico-radiestesia é uma forma psicológica de estudar e avaliar uma pessoa: sobre o seu carácter e personalidade. É uma das singularidades fantásticas da radiestesia, que exige muito treino para se chegar a resultados surpreendentes.

 

            Para se investigar um carácter, uma faculdade, um temperamento, é preciso proceder do seguinte modo:

 

            Com a mão esquerda, ou simplesmente com o indicador esquerdo, regista-se o cérebro da pessoa em questão, quer sobre a projecção desse cérebro que consiste numa figura imaginária que o psico-radiestesista projecta diante dos seus olhos.

 

            Ao mesmo tempo, verá desfilar no seu cérebro o quadro previsto para esse efeito, e que apenas lhe serve como auxiliar da memória.

 

            Mentalmente verá a representação imaginada de um ser fortemente dotado de uma determinada faculdade intelectual, carácter e temperamento e, tudo isso como diante dele se desenrolasse rapidamente uma fascinante película cinematográfica.

 

            O pêndulo reagirá por uma rotação directa ou indirecta no momento preciso em que a representação da referida faculdade, carácter, aptidão, passar diante da sua vista.

 

            Observa-se que a rotação é sempre precedida de um aumento da sensação de peso do pêndulo, e que as rotações directas ou indirectas, positivas (bom) ou negativas (mau) permitem, além disso, fazer uma pré-selecção, se for necessário.

 

            Se o carácter for instável ou lunático, o pêndulo indica-o por uma série de rotações que alternam entre positivas e negativas. As referidas rotações serão tanto mais marcadas quanto mais potente for a faculdade intelectual, mais enérgico o carácter, mais forte o temperamento. Se desejar medir ou avaliar com mais precisão a vontade, inteligência, memória, sensibilidade, valor, egoísmo, etc. podem utilizar-se a régua graduada ou um transferidor graduado de 0 a 180º.

 

            Neste caso será necessário tomar previamente uma base convencional de avaliação, por exemplo, segurando o pêndulo sobre a fotografia, lâmina anatómica, (com a mão direita ou esquerda se for canhoto), formula-se mentalmente o desejo de se ser sensível à influência da pessoa ali representada.

 

            Acto contínuo, sempre com o pêndulo em condições, formular-se-á a pergunta mental sobre o que se deseja saber. Recorde-se que, no decurso da experiência, à nossa esquerda teremos a correspondente “palavra testemunho”, que tocaremos com o “ponteiro orientado” ou com o indicador da mão esquerda (ou direita, se for canhoto).

 

            Supondo que a “palavra testemunho” seja INTELIGÊNCIA a interpretação mental será: Tem inteligência essa pessoa?

            Seguidamente concentraremos toda a nossa atenção nesse pensamento, enquanto observamos, tranquilos e na maior passividade aquilo que o pêndulo manifesta.

 

            Quando o pêndulo descrever rotações negativas, a pessoa analisada não é inteligente; mas se as rotações são positivas a referida pessoa possui inteligência.

 

            Depois iremos tocando sucessivamente com o indicador ou o “ponteiro orientador” nas diferentes “palavras-testemunho” que nos interessem. Ao mesmo tempo, iremos formulando as respectivas interpretações mentais, seguindo o mesmo processo utilizado anteriormente com a “palavra-testemunho” INTELIGÊNCIA.

 

            O pêndulo irá demonstrando pouco a pouco as diferentes reacções, que se anotarão até completar o estudo psico-radiestésico da pessoa em questão. Tanto basta como exame explorativo; mas se pretender diagnosticar com mais exactidão é preciso utilizar o transferidor, tomando previamente uma base convencional de avaliação, embora também se costume utilizar a régua graduada para este mesmo diagnóstico.

 

            Como exemplo prático, se utilizarmos a régua, tomaremos dez a vinte centímetros para 100%, o máximo da vontade da inteligência, valor, etc. Para o transferidor podem tomar-se 180º para esse máximo.

 

            Se passarmos com o indicador esquerdo ou, o ponteiro seguro como antena com a mão esquerda por cima da régua ou do transferidor, revemos o pêndulo regulador mudar bruscamente de movimento. No caso de o fazermos por exemplo, sobro o quinto centímetro da régua, ou a 90º do transferidor, podemos deduzir que a força de vontade, inteligência, valor, é de 50% e, assim sucessivamente.

 

            Há que deixar o pêndulo manifestar-se tranquilamente, sem nos impacientarmos se a sua proposta não for muito rápida. Também se pode e, isso será mais simples, contar o número de oscilações do pêndulo ou o número das suas rotações, conforme o tenhamos deixado oscilar ou girar.

 

            O número assim encontrado indicar-nos-á imediatamente a percentagem procurada, partindo-se sempre, é claro, de uma base convencional… Por processo idêntico pode-se saber igualmente se uma pessoa sofre ou não moralmente. Nesse caso é no coração que o psico-radiestesista deve fazer a pergunta correspondente.  

 

            Levanta-se o dedo ou o “ponteiro indicador” transportando sobre a mão esquerda (ou direita, se for canhoto) e coloca-se em cima do coração (fotografia ou lâmina anatómica). Quando a rotação se inicia para a esquerda (negativa), assim persiste, existe decerto defeito físico e pena moral. Recordemos que em psico-radiestesia, embora sem forçar a rota, há que trabalhar sem nervosismo e tomar todas as precauções, se desejarmos que o êxito nos acompanhe.

 

            Não se confunda a psico-radiestesia com o espiritismo, pois seria o erro mais grave que se poderia cometer. É sabido que certos indivíduos de profissão pouco confessável. Utilizam o pêndulo com fins diferentes do da sã radiestesia. Mas vale mais ignorá-los.

 

            O trabalho do psico-radiestesista, diz Viladeval, é delicado sob todos os aspectos e requer uma grande exactidão, prudência e moralidade, para ser levado a cabo, sem se esquecer que em todos se seus trabalhos deverá reinar o mais estrito segredo profissional.

 

            Não se deve esquecer que a psico-radiestesia, tal como a entendemos, é extremamente ampla. Efectivamente, é frequente ser solicitado um estudo psicológico, ao escolher-se, por exemplo, um empregado de confiança para um cargo de responsabilidade, para averiguar se dois noivos poderão chegar a uma perfeita união, ao iniciar-se um estudo de determinada carreira na formação de uma sociedade.

 

            Tornar-se evidente, portanto, a grande responsabilidade em que incorre todo o psico-radiestesia, ao expressar a sua opinião sobre um exame por ele efectuado, pois não há dúvida que ao fazê-lo, pode influir decisivamente sobre o futuro de uma ou várias pessoas. A missão de quantos trabalham honestamente no vasto campo da radiestesia não é senão a de abrir caminhos ignorados, trabalhar sem egoísmo e servir a humanidade.

 

PROF. KIBER SITHERC

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 21:37


contador
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


contador
pesquisar
 
mais sobre mim
blogs SAPO