Esoterismo, Lendas, Mitos, Parapsicologia, Auto-Ajuda. kiber-sitherc@sapo.pt

20
Jan 11

 

            Em primeiro lugar, sobretudo se tratar de um principiante, este deverá tratar de orientar o mapa ou plano, tendo em conta a declinação magnética, que varia de um lugar para o outro, e de uma época de oito graus Oeste.

 

            Antes de mais, é preciso tomar todas as precauções necessárias para a neutralização. Esfregando ligeiramente o plano ou mapa com enxofre sublimado eliminar-se-ão as emanações parasitas que poderiam existir devido às impressões digitais e outras impressões superficiais.

 

            É também imprescindível prestar muita atenção: evitar a sugestão e manter-nos passivos. Por outro lado, há que conservar o pêndulo por cima de uma zona neutra, por exemplo uma folha de papel preto que tenha sido neutralizada do mesmo modo que o mapa.

 

            Descrevemos seguidamente um curioso exercício que permite procurar água, carvão, um determinado mineral, etc.

 

            Pega-se num testemunho adequado e recorre-se ao mapa com o pêndulo, cruzando-o, tal como na radiestesia sensorial: isto é, de Leste para Oeste e vice-versa, e de Norte para o Sul magnético. No precioso momento em que se cortem os dois planos, o pêndulo reagirá com um aumento de peso seguido de uma rotação.

 

            Assinalando assim muitos pontos e unindo-os com uma recta, obtém-se uma primeira indicação em relação à situação do objecto que se procura. Com o pêndulo ou o indicador da mão esquerda passa-se sobre o desenho, paralelamente à primeira linha obtida. Ao chegar em frente ao objecto o pêndulo voltará a reagir.

 

            Se repetirmos a operação pelo outro lado da primeira encontrada, experimentamos outra reacção em perpendicularidade. Unidos os dois pontos encontrados com uma linha, a intersecção desta com a primeira linha Norte-Sul localizará o objecto sobre o desenho.

 

            Vê-se claramente que é mais fácil encontrar o primeiro plano, ou seja, o plano Norte-Sul magnético e o alinhamento do objecto, porque a reacção se manifesta sempre de maneira mais forte nesse sentido. Em contrapartida, as reacções obtidas do plano perpendicular Leste-Oeste descobrem-se com mais dificuldade.

 

            Para esta operação é preferível passar por cima do mapa com um lápis ou um ponteiro orientador e conservar imóvel o pêndulo na mão direita, fora do mapa. O pêndulo reagirá no momento exacto em que o ponteiro passar sobre o local procurado, quer se trata de uma fonte, de uma jazida de carvão ou de qualquer outro mineral.

 

            Depois de procurar a profundidade a que se encontra a fonte ou a jazida o sentido da corrente de água encontra-se tal como sobre o terreno.

 

            É preciso orientarmo-nos mentalmente; colocar o orientador na mão esquerda, quer contra a corrente, quer a favor dela, obtendo-se um balanço, uma oscilação do pêndulo no sentido de descida da água e uma ou várias rotações no sentido ascendente.   

 

            Quando é muito extenso o espaço sobre o qual se tem de efectuar a investigação, recomenda-se o trabalho sobre um mapa em escala reduzida; depois ampliar-se essa escala à medida que se anunciem os resultados.

 

            Deve-se seguir um processo de eliminação, pondo de parte as áreas ou regiões onde não se manifesta qualquer reacção.

 

PROF. KIBER SITHERC

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 17:00


contador

contador
pesquisar
 
mais sobre mim
blogs SAPO