Esoterismo, Lendas, Mitos, Parapsicologia, Auto-Ajuda. kiber-sitherc@sapo.pt

05
Abr 11

 

 

             Breve História da Palha de Abrantes.

            Conta a tradição que a denominação Palha de Abrantes se encontra associada ao movimento fluvial que em tempos animava o Tejo. Antigamente toda a palha proveniente do Alto Alentejo era transportada em carros de tracção animal e depositado em cais no Rossio de Abrantes para mais tarde seguir em barcos para todo o Ribatejo. Abrantes era um porto de paragem no abastecimento de, entre outros produtos, fardos de palha para os animais de tiro da capital (Lisboa).

 

            Quando surgiram os comboios e como as viagens eram demoradas, os passageiros que vinham das Beiras e fronteira, já cansados, exclamavam: “Já chegámos à terra da palha!!!” Nasceu assim a citação de “se queres palha vai a Abrantes”.

 

            Foi então que as freiras dos quatro conventos, existentes em Abrantes se lembraram de, com fios de ovos e ovos-moles, baterem os ouriços (primeiro nome dado à palha). Mais tarde, deu-se-lhe o nome de Palha de Abrantes, porque os fios de ovos lembravam os fardos de palha no cais do Rossio de Abrantes. É senso comum que este produto tem a sua origem nos conventos de freiras existentes na cidade, nomeadamente o Convento da Graça, da Ordem das Dominicanas. Considera-se uma “obrigação” para quem vai a Abrantes provar os doces regionais, dos quais o mais célebre é este.

 

            Ingredientes:

 

            250 gr de açúcar

            2,5 dl de água

            12 gemas

            4 claras

            1 colher de chá de canela

            60 gr de amêndoa pelada

            Folhas de obreia q.b.

 

            Preparação:

 

            Prepare os fios de ovos. Leve ao lume a água com o açúcar e deixe ferver até atingir o ponto de pérola fraco.

            Misture 6 gemas com 2 claras, com um garfo sem bater e passe três vezes por um passador de rede.

            Coloque os ovos num funil de fazer os fios de ovos e sem demoras, para não aumentar a densidade do xarope, deixe cair os fios na calda, manobrando o funil o mais alto possível.

            Os fios de ovos tomarão o aspecto de uma meada que deve ser retirada com a ajuda de uma ou duas escumadeiras e colocada sobre uma peneira com o fundo virado para cima.

            Abra os fios passando as mãos por água fria.

            Enquanto prepara os fios de ovos, estes devem de ser sempre borrifados com água fria para impedir que a densidade do xarope aumente.

            Feitos os fios de ovos, deixe ferver a calda que restou até fazer ponto de cabelo. Depois de arrefecer um pouco, junte as seis gemas restantes, duas claras previamente misturadas e a amêndoa passada pela máquina. Leve o preparado ao lume a cozer e fazer ponto de estrada. Retire do lume adiciona-se a canela.

            Corte as folhas de obreia em rodelas com 5 ou 6cm de diâmetro, coloque uma colher de chá do preparado que levou amêndoa e cobra com fios de ovos.

            Leve ao forno muito quente, só para tostar a parte de cima dos ovos.

 

            Abrantes, terra da palha,

            Terra boa p´ra viver

            com certeza não é burro

            quem desta palha comer

            Eu sou a palha de Abrantes,

            feita de açúcar e ovos

            um doce que muito agrada

            tanto a velhos como a novos.

 

            Todos os burros comem palha;

            saber dar-lha é a questão.

            Mas desta até os doutores

            a comem e com razão

            Sou famosa em Portugal,

            meu sabor é sem igual,

            belo brilho e linda cor,

            que bom é o meu sabor.

 

            Na Praça Barão da Batalha,

            que praça da palha era dantes,

            não como qualquer palha!

            como a palha de Abrantes!

 

PROF. KIBER SITHERC

 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 21:14


contador

contador
pesquisar
 
mais sobre mim
blogs SAPO