Esoterismo, Lendas, Mitos, Parapsicologia, Auto-Ajuda. kiber-sitherc@sapo.pt

15
Jan 10

     
       Localizado na freguesia de Vilaspasantes, no município de Cervantes, se encontra o castelo de Doiras. Há muito, muito tempo, viveu um senhor de nome Frojaz com dois filhos: Egas e Aldara.
 
            Aldara era jovem e bonita, tinha a devoção por Aras, filho de outro senhor de um castelo nas proximidades, e como o seu amor era retribuído, e as famílias se davam bem, foi anunciado o casamento.
 
            Numa tarde, Aldara desapareceu do castelo. Pai e irmão procuraram por todo o lado do castelo, mas não a encontraram; por fim um arqueiro trouxe a notícia, dizendo que ele tinha a visto a meio da manhã nas proximidades do rio. Temendo uma desgraça, pai, irmão, criados e escudeiros, percorreram as margens do rio, sem encontrá-la. Então eles enviaram um mensageiro ao noivo de Aldara, que se apresentou desconsolado, acompanhado com as suas gentes e, assim todos empreenderam a busca por montes e bosques, cabanas e aldeias… depois de alguns dias de buscas infrutíferas, consideraram definitiva a perda de Aldara, imaginando-a morta por algum javali, ou devorada pelos lobos.
 
            Muitos anos depois, Egas estando de caça no monte de Galo Mounteiro, viu uma cerva branca e bonita. De um único lanço de flecha e certeira, terminou com a vida do animal, mas não se havia apercebido, de que era impossível levá-la para o castelo por seu peso excessivo (ou, talvez, por causa da neve dificultar o transporte), por isso, cortou a pata dianteira da cerva (para sinalizar que o animal lhe pertencia, ou para o exibir como troféu).
 
            E quando ele foi para mostrar a pata da cerva, contando o sucesso obtido, horrorizados viram o Egas sacar da bolsa uma mão; uma mão fina, branca, suave, uma mão de donzela fidalga. E em um dos dedos daquela mão, brilhava um belo anel de ouro com pedras roxas e amarelas. Pai e filho concordaram que era o anel da infeliz Aldara.
 
            Com os corações despedaçados, cavalgaram para o monte, onde Egas havia matado a cerva. Ali encontraram caída no chão o corpo de Aldara, com o seu vestido branco e uma grande mancha vermelha sobre o coração donde saia o sangue, a quem lhe faltava uma mão.
 
            Por muito que indagaram pai e filho, jamais encontraram a razão por que Aldara se havia transformado em cerva. 
 
PROF. KIBER SITHERC
 

 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 12:25

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.



contador
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds

contador
pesquisar
 
mais sobre mim
blogs SAPO