Esoterismo, Lendas, Mitos, Parapsicologia, Auto-Ajuda. kiber-sitherc@sapo.pt

05
Mai 11

 

            No estado indiano de Tamil Nadu, as pessoas não precisam capas vermelhas e espadas afiadas para domar os touros, eles fazem isso com as suas próprias mãos num desporto chamado Jallikattu .

 

            O antigo espectáculo de Jallikattu reúne multidões de bravos homens e jovens, contra touros furiosos que ninguém consegue pará-los no seu caminho. O nome do desporto vem das palavras "Salli", que traduz como "moeda", e "Kadu", que significa a subordinação da moeda para os chifres do touro furioso. O objectivo dos lutadores é o Jallikattu para domar o touro o tempo suficiente para reclamar o prémio.

 

            Mas isso é muito mais difícil do que parece, especialmente porque os touros utilizados para Jallikattu são extremamente agressivos, e os jogadores não estão autorizados a defender-se com qualquer outra coisa, mas só com as próprias mãos. O mais bravo dos homens jovens vão tentar agarrar a nuca do boi, e pendurarem-se, enquanto o animal na maioria das vezes tenta agarrá-los com os seus chifres longos e mergulhá-lo no chão.

 

            Dezenas de milhares de participantes e espectadores se reúnem sempre nesse espectáculo programado que é o Jallikattu, e na maioria das vezes centenas deles acabam no hospital, com ferimentos graves, e alguns deles perdem as suas vidas. Esta tradição antiga, na região de Tamil Nadu, foi proibida em 2008, após acusações de que os touros eram alimentados com álcool e pimenta. Também eram pulverizados com pimenta nas suas narinas, para torná-los mais agressivos. A proibição foi posteriormente removida, mas os animais são controlados por uma equipe de veterinários, antes do Jallikattu.

 

            Os donos dos touros costumam limar os chifres dos animais para se tornarem mais mortíferos, também para causarem mais danos.

 

            Segundo a lenda, antigamente esta tradição era usada pelas mulheres para escolher os seus maridos. Os"vencedores" bem sucedidos eram escolhidos como os noivos.

 

PROF. KIBER SITHERC

 

 

  

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 22:12

15
Jan 11

 

            Na Índia, as tradições são sagradas e ai quem tente transgredi-las!

 

            A actriz e modelo britânica Elizabeth Hurley e seu marido, o milionário indiano Arun Nayar, foram ameaçados de serem condenados a três anos de prisão por violação de tradições hindus durante o seu casamento no em 2007, em Mumbai. Eles foram acusados de apresentarem "comportamento alcoolizado", de se beijarem e de entrarem em um templo com sapatos.

 

            Elizabeth Hurley, de 41 anos, se casou na Inglaterra e depois na Índia.

            O jurista Vishnu Khandelwa, que afirmou não conhecer o casal, acusou Hurley e Nayar de violar antigas tradições indianas. Também afirmou que o pai de Arun, Vinod Nayar, ofereceu-se às testemunhas contra o filho e a nora.

 

            Segundo Nayar pai, ele e sua segunda mulher Joanne se sentiram "cidadãos de segunda categoria" na cerimónia do casamento.

 

            Khandelwa informou também que as fotos tiradas para a revista de celebridades "Hello!" durante a boda serão utilizadas como evidência contra o casal.

 

            "Vamos enviar um pedido de prisão a Arun e Liz tão logo quanto a promotoria justifique o nosso caso", declarou o jurista.

 

            "Nós na Índia temos nossas próprias crenças religiosas, que indicam que o noivo e a noiva devem se comportam sobriamente e os dois estavam alcoolizados. As fotos da 'Hello!' mostram os dois se beijando, o que vai contra nossas tradições", acrescentou.

 

            O casal também foi acusado de não tirar os sapatos dentro dos templos indianos. "Quando oramos temos que tirar o calçado porque rezamos para Deus. Nossa intenção é demonstrar que a cerimónia adoptada pelo casal esteve contra as leis e os rituais indianos", concluiu o jurista.

 

            Hurley e Nayar se casaram primeiro na Inglaterra, antes de viajar para a Índia para uma segunda cerimónia religiosa nesse país.

 

PROF. KIBER SITHERC 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 18:11

12
Dez 10

 

            Um dos eventos mais sagrado dos hindu,  é o Kumbh Mela é a grande reunião religiosa realizada a cada quatro anos. O Purna Kumbh Mela, a maior e mais justo auspicioso, ocorre quatro vezes a cada doze anos, e está organizado em rotação entre quatro lugares onde as gotas do néctar sagrado transbordaram: Allahabad (Prayag), Haridwar, Ujjain e Niterói.

 

             Em Niterói, é realizada nas margens do rio Godavari, Rio Ganges em Haridwar, Shipra Rio de Ujjain e da confluência de três rios Ganges, Yamuna e Saraswati em Allahabad ou Prayag (nome antigo) na Índia.

 

             Uma peregrinação em massa para a comunidade hindu da Índia, o Kumbh Mela ou justo Kumbh é rumores de ser um dos maiores sábios da congregação, iogues, ascetas, mendigos, homens, mulheres e crianças de toda a Índia. Cerca de 60 milhões de pessoas aparecem para participar do Purna Kumbh Mela, tornando-o o maior encontro  em qualquer lugar do mundo.

 

            O Purna Kumbh Mela (Grande Kumbh Mela), a congregação mais auspiciosa, é realizada uma vez a cada 12 anos em um determinado lugar - Allahabad (Prayag). Mas o maior é o Maha Kumbh Mela, que periodicamente cai a cada 144 anos ou após 12 Purna Kumbh Melas, em Allahabad.

 

            Mas cada sexto ano após a Kumbh Mela Purna vê uma ardh Kumbh Mela, tendo lugar. Na língua hindi a palavra "ardh" significa "meio" e "Mela" significa "justo". O "ardh Kumbh Mela" é chamado assim porque é realizada no sexto ano e marca a fase intermédia entre a celebração do Kumbh Purna Melas cada 12 anos. O Mela ardh (metade Fair) acontece seis anos depois da Maha Kumbh em cada um dos quatro locais mencionados por turnos.

 

            Durante o período de Kumbh Mela, uma cidade de tendas sobe para mais de um mês nas margens do rio (do local onde a congregação é realizada) para servir de abrigo a milhares de peregrinos. Uma série de organizações religiosas hindus montaram acampamentos nas terras justas durante este período. Em diferentes pontos da região, grupos de teatro popular ocupam articulando de diferentes histórias e cenas a partir de textos sagrados hindus.

 

            O mito do "Amrita-Kumbha" é realizado como uma performance dramática que é banhada pelos devotos reunidos. Pessoas de todas as classes da sociedade vêm em multidões ao recinto da feira impulsionado pelo desejo de dar um mergulho nas águas do rio sagrado, bem como para receber as bênçãos dos grandes homens santos montados na feira.

 

             Muitos dos devotos vivem nos campos e ashrams (templos) para toda a duração do mela e levar uma vida sagrada. Este ensinamento é chamado de "Kalpavas" e aqueles que vivem assim são chamados de "Kalpvasi".

 

            Tal como os seus homólogos maiores (Purna Kumbh Mela, Maha Kumbha Mela) e contrapartidas menores (Magh Mela) a finalidade de organizar ardh Kumbh Mela é para comemorar a lenda da luta entre os deuses e demónios ao longo dos Kumbha Amrita (pote de néctar de) e atrai multidões inumeráveis que acreditam na Puranas hindus e vêm em busca de purificar a alma antes de entrar no reino de Deus.

 

            Nos últimos anos o rio Ganges tem recebido descargas industriais de esgotos, pesticidas e cadáveres.

            Apesar de ser o rio mais poluído no mundo, os hindus, acreditam que a água é pura, porque o rio é sagrado.

            Os hindus acreditam que o rio Ganges é sagrado, em particular neste dia.

 

            Na Índia a tradição de se banhar no rio Ganges, é considerado sagrado, é cumprida apesar da crescente poluição do rio. De seis em seis anos milhões de hindus banham-se no rio para se limpar dos pecados e terem uma vida melhor na próxima reencarnação.

 

PROF. KIBER SITHERC

 

 

 

 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 17:56

 

            Todos os anos uma estranha tradição se realiza à sexta-feira, é um ritual na Índia que iria amedrontar a maioria das mães na Europa.

 

            Centenas de bebés são atirados do alto de uma mesquita de 15 metros, como um rito para trazer boa saúde e boa sorte para as crianças.

 

            A tradição já é realizada há mais de 700 anos por muçulmanos e hindus Musti, em uma vila no distrito de Solapur, no estado de Maharashtra, de acordo com a informações da emissora americana ´CNN´.

 

            Os bebês são atirados por sacerdotes e caem numa ‘cama protetora’ segurada por cerca de 50 homens e logo são entregues para as suas mães. Para que as crianças participem do ritual, os pais devem fazer parte do santuário muçulmano de Baba Umer Durga.

 

            De acordo com a media local, nenhuma das crianças se feriu no ritual desta última sexta-feira. Mas algumas pessoas querem que a prática seja proibida, devido ao perigo que as crianças são expostas.

 

            Activistas pró-direitos das crianças protestaram contra essa tradição, e uma comissão do governo promete investigar a prática.

 

            “O Estado tem de intervir”, disse Sanal Edamaruku, fundador e presidente da Associação Internacional dos Indianos Racionalistas, que apóia um estado laico e com maior liberdade de expressão.

 

            As crianças, a maioria com dois anos ou menos, foram atirados de cerca de 15 metros de altura. Imagens da TV mostraram alguns bebês sendo abanados e chorando antes de serem lançados.

 

PROF. KIBER SITHERC

 

 

 

 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 14:37

09
Dez 10

 

            A culinária indiana é a mais aromática de todas as cozinhas. Os temperos e especiarias têm importância fundamental, pois servem de denominador comum das várias regiões da Índia, além das características terapêuticas (ajudando na digestão e agindo como estimulante do apetite) e do sabor inconfundível.

 

            A comida para a maioria dos indianos é considerada um presente dos deuses e, portanto tratada com muito cuidado. A Índia é uma civilização antiga, uma terra de tradições, a comida é um reflexo da herança cultural, religiosa e da localização geográfica.

 

            De região para região, a cozinha indiana varia, nas diferenças de gosto, na maneira de preparo, nos ingredientes e suas combinações. As receitas sempre foram transmitidas verbalmente e passam de geração para geração sendo memorizadas e raramente escritas.

 

            Muitas receitas nunca foram divulgadas, esse é um dos motivos porque a cozinha indiana não é tão conhecida como a francesa, italiana, ou chinesa.

 

            Outra tradição indiana é o não uso de talheres, pois dizem que muda o gosto da comida.

            Na Índia come-se de tudo com a mão direita, desde os alimentos molinhos até os mais sólidos. A mão esquerda fica reservada para a higiene pessoal.

 

            Carne de vaca, nem pensar.

            Grande parte da população indiana é vegetariana, e mesmo os não vegetarianos não comem carne de vaca, por ser este um animal sagrado no país.

 

            Os Hindus não comem carne bovina e muçulmanos não comem porco;

 

            Deve se comer usando somente a mão direita, visto que a mão esquerda é usada para propósitos higiénicos e portanto considerada impura. Porém, é aceitável passar pratos ou vasilhas com a mão esquerda.

 

            Tocar a comida em um prato comum, ou seja que vai ser divido para todos, pode causar que os outros evitem comê-lo.

 

            Lavar as mãos antes e depois das refeições é muito importante. Em algumas casas hindus, eles esperam que você lave sua boca também.

 

            Para alguns hindus, é um insulto um visitante agradecer pela comida após ter terminado de comer, visto que eles dizem que dizer obrigado é considerado uma forma de pagamento.

 

            Se você está bebendo água ou outra bebida num copo ou noutra vasilha que será usado por outros, nunca toque o copo ou vasilha com os seus lábios. Segure o copo um pouco acima da boca e então entorne aos poucos dentro da boca sem tocar o copo com a boca.

 

            É muito comum entre os hindus utilizarem muitos cerimoniais em sua vida diária. Por exemplo, os brâmanes (casta alta) não comem nenhum tipo de carne, e derivados como ovos e outros. Quando comem por engano ou fazem outras coisas que segundo eles os torna impuros, eles costumam fazer um ritual de purificação que, algumas vezes, consiste em beber urina de vaca (que eles dizem que é sagrada). Alguns rituais de purificação incluem cinco produtos da vaca, considerados sagrados para os hindus: leite, coalhada, gordura, urina e fezes.

 

            Um antigo costume hindu, já fora de uso, dizia que para uma mulher devota, o seu marido era literalmente um deus. Para agradar o seu marido a esposa deveria de boa vontade fazer qualquer coisa. A principal razão para ela viver era servir o seu marido e obedecer a risca todos os seus desejos. Uma esposa era para comer somente após o seu marido ter terminado e comer então no prato sujo de seu marido.

 

PROF. KIBER SITHERC

 

 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 17:10


contador

contador
pesquisar
 
mais sobre mim
blogs SAPO