Esoterismo, Lendas, Mitos, Parapsicologia, Auto-Ajuda. kiber-sitherc@sapo.pt

08
Abr 10

 

                A lenda brasileira da origem do arroz, fundamenta-se no século XVII, em que os indígenas brasileiros conhecem esse cereal relativamente tarde em relação aos outros povos.


            Conta a lenda que em 1637, quando os bandeirantes de Raposo Tavares devastaram o actual município de Cachoeira do Sul, no Rio Grande do Sul, destruindo todos os aldeamentos indígenas que os Jesuítas haviam fundado, conseguiu sobreviver apenas um jovem índio chamado Tuti.

 

            Desesperado com a perda dos seus pais e de sua morada, Tuti sentava-se à margem do Rio Jacuí e via ali noites e dias nascerem e morrerem.

            O índio chorava. Chorava de fome, chorava de dor, e de saudades. E tudo parecia chorar com ele; o sol era pálido, a noite era negra, as florestas haviam se curvado e as águas endoideceram.

 

            Seis sóis eram passados. Tuti, sentado no mesmo lugar, braquiado de fome e de dor, com a face chicoteada pelo vento e os olhos cravados ao céu, como a pedir clemência, enxergou um vulto.

 

            Neste momento tudo cessou.

            As águas continuaram enfurecidas, mas em profundo silêncio, o vento adormecera nas moitas e no céu, como que prevendo felicidade, a lua sorria.

            Sobre as águas, o vulto aproximava-se de mansinho. Era um vulto de mulher, trazia em suas vestes a cor do rio com todos os seus peixes, a cor do céu com suas estrelas, a cor das matas com suas aves.

 

            Trazia o sol em seus cabelos, e seus olhos luziam como diamantes.

            Deixando rastros luminosos nas águas enfurecidas do rio, aproximava-se mais e mais, até chegar frente ao índio desconsolado. Então, falou-lhe:

 

            - Tenho aqui em minhas mãos a semente que saciará a tua fome e de todos que virão. Tome-as. Eu as recolhi de tuas próprias lágrimas caídas no rio.

            Dizendo isto, o vulto luminoso deixou escorrer de suas mãos uns poucos pingos dourados, os quais o índio, com gestos selvagens, colheu. O vulto sumiu. Um violento temporal desabou.

 

            O índio de tão fraco desmaiara, apedrejado pelo granito caído do céu. E as sementes foram levadas pelas águas. Após noites e dias de chuva, quando o sol, radiante, voltou, Tuti encontrou uns cachos, já dourados, com as sementes.

 

            Colheu-os, preparou-os e saboreou.

            Era uma plantinha frágil, mas que lhe dera muita vitalidade. Hoje chamamos esta plantinha-ternura de arroz.

 

            E para maior mistério, conta a lenda, que à meia-noite, nas margens do Rio Jacuí, há um profundo silêncio, embora as águas desçam tresloucadas.

            Isto, talvez, em homenagem à Deusa das Águas, que saciou a fome de Tuti e nos semeou o arroz.

 

PROF. KIBER SITHERC

 

 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 16:55

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

pesquisar
 
favoritos

A ORIGEM DO RISO

mais sobre mim
blogs SAPO