Esoterismo, Lendas, Mitos, Parapsicologia, Auto-Ajuda. kiber-sitherc@sapo.pt

15
Abr 10

        

 

              É um mito do Brasil que nasceu no século XIX.

            O Labatut é um monstro que apresenta origem europeia ao qual foi acrescentado elementos indígenas. A princípio, Labatut adquiriu o seu carácter de malvado como herança da imagem que ficou na lembrança do povo sobre a actuação do general Pedro Labatut, que esteve no Ceará, de Junho de 1832 a Abril de 1833, reprimindo a insurreição de Joaquim Pinto Madeira. Dizia-se que esse general era extremamente violento e muito cruel. Fuzilou muitos negros, surrou muitas negras, e em virtude da incontrolável crueldade acabou revoltando até o exército.


            A sua forma monstruosa foi acrescentada pelo imaginário indígena que era fértil na composição de monstros animalescos.


            Vejamos a descrição de Labatut, segundo José Martins de Vasconcelos:


            “Era noite e a cidade dormia pacificamente em seu habitual conchego sertanejo.

             - Cala esse assobio, menino! - gritava minha mãe, aturdida com o meu assobiar.

Era a hora em que todos descansavam da labuta e dormiam placidamente.

            - Cala esse assobio menino! Não ouves?

            - O quê? - indaguei, curioso e insistente, procurando descobrir naquilo alguma pieguice para zombar...

            - Então não ouves o tropel de Labatut? Escuta...ele vem na ventania que já se aproxima rugindo! O vento geme longe... ele vem...Ao sair da lua entrará na cidade como um cão danado, devorando tudo que encontrar: homens, mulheres e meninos! Ai do que cair nas suas mãos, porque jamais verá os seus queridos entes: irá dormir eternamente nas suas entranhas insaciáveis, cheias de fogo!


            - E o que é Labatut, mamãe?" - perguntei, agora mais trémulo e assustado que zombeteiro, crendo ver ali uma monstruosidade do outro mundo, coisa tida para mim "in illo tempore", como caverna incomensurável cheia de bichos descomunais, ferozes, e tudo isso, misturado com tais almas penadas que me faziam tremer, ouvindo-lhes as histórias fantásticas e macabras!


            - Fala baixo! Queres morrer engolido? Labatut ouve de longe! Ele traz a ventania para ninguém ouvir-lhe a bulha dos passos pesados e remitentes, e para mais facilmente abocanhar a presa!"


            E eu, engolindo um grito prestes a explodir, engasguei-me alguns segundos, tendo os esbugalhados, luzindo na escuridão do quarto, como se alguém me comprimisse a garganta, fazendo-me fustigar-me, impiedosamente! Afinal, estourei, balbuciando surdamente:

            - Mas quem é Labatut? Diga Tenho medo!

            E, minha mãe, sibilando por entre os dentes uma resposta arranjada a jeito, prosseguia:

            - Labatut é um bicho pior que o Lobisomem, pior que a Burrinha, pior que a Caipora e mais terrível que o Cão-Coxo. Ele mora, como dizem os velhos, no fim do mundo, e todas as noites percorre as cidades, para saciar a fome, porque ele vive eternamente esfaimado. Anda a pé; os pés são redondos, as mãos compridas, os cabelos longos e assanhados, corpo cabeludo, como o porco-espinho, só tem um olho na testa como os ciclopes da fábula e os dentes são como as presas do elefante! Ele gosta muito mais de meninos, porque são menos duros que os adultos! Ao sair da lua, ele, que anda ligeiro, entrará pelas ruas num trote estugada, pairando às portas para ouvir quem fala, quem canta, quem assobia e quem ressonar alto e zás! Devorar.Os cães dão sinal, latindo-lhe atrás!”

 

PROF. KIBER SITHERC

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 14:52
tags:

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

pesquisar
 
favoritos

A ORIGEM DO RISO

mais sobre mim
blogs SAPO