Esoterismo, Lendas, Mitos, Parapsicologia, Auto-Ajuda. kiber-sitherc@sapo.pt

15
Abr 10

 

                Esta lenda é originária de São Luís do Maranhão.

            No século XIX viveu em São Luís, uma Senhora chamada: Dona Ana Joaquina Jansen Pereira, comerciante que tendo acumulado grande fortuna, exerceu uma forte influência na vida social, administrativa e política da cidade.

 

            Conta-se que, quando viva, a Donana Jansen, assim chamada vulgarmente na época, foi uma mulher perversa que sentia prazer em espancar os seus escravos. Ela mandava arrancar os dentes e as unhas das crianças, filhos de escravos, que visse a apanhar frutas em seus pomares. Ordenava que açoitassem cruelmente os escravos, às vezes por nenhum motivo. Conta-se que usava os escravos para variadas diversões, aplicando neles toda a sorte de suplícios e torturas, que não raro, terminavam com a morte dos infelizes.


            Após alguns anos do falecimento de Donana, criou-se uma lenda fantástica, segundo a qual nas noites escuras de quinta para sextas-feira, começaram a deparar com uma assombração e apavorante carruagem, que partindo do cemitério do Gavião, correria em desenfreada pelas ruas de São Luís, puxada por muitas parelhas de cavalos brancos sem cabeças, guiados por uma caveira de escravo, decapitada também, conduzindo o fantasma da falecida senhora, penando, sem perdão, pelos pecados e atrocidades, em vida, cometidos.

 

            Ai do incauto que a encontre pelo caminho, Ana Jansen, oferece uma vela acesa que na manhã seguinte se transformará em osso de defundo.

 

PROF. KIBER SITHERC

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 19:30

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

pesquisar
 
favoritos

A ORIGEM DO RISO

mais sobre mim
blogs SAPO