Esoterismo, Lendas, Mitos, Parapsicologia, Auto-Ajuda. kiber-sitherc@sapo.pt

23
Abr 10

 

                Não passar debaixo de uma escada é superstição espalhadíssima no Brasil, especialmente nas cidades do litoral.

 
            Há pessoas que dizem não serem supersticiosas, mas nunca passariam por debaixo de uma escada.

             Acredita-se que dá azar, que os desejos serão furados, inclusive que não se crescerá.


             “Estudei o motivo, idêntico na França, Bélgica, Holanda, Itália, Espanha, Portugal. Na Espanha acresce a ameaça para as moças que se passam por debaixo de uma escada não se casarão e têm má sorte” (José A. Sanchez Pérez, Supersticiones Españolas, 120, Madrid, 1948).

 

             A escada é a imagem da subida, da elevação, do acesso social, económico, financeiro. Passar por debaixo de quem se eleva é simbolicamente renunciar, afastar-se de quem sobe, progride, vence. Decorrentemente perde a boa sorte quem passa debaixo de uma escada.

  

            A versão mais aceite é a de que ela tenha se originado durante a Idade Média, época dos castelos protegidos por altas muralhas: quando eram atacados, levantavam-se as pontes e fechavam-se os portões de entrada, de modo tal que era o único meio de invadi-los era com uso de escadas.

 

            Como defesa para esse tipo de investida costumava-se derramar óleo fervente sobre os inimigos, e nessa hora, quem subia ou firmava a escada recebia um banho mortal. Daí surgiu a certeza de que segurar uma dessas peças por baixo não era um bom desempenho, porque isso poderia trazer má sorte para o infeliz que estivesse em tal posição, pensamento que atravessou os séculos e permanece até hoje simbolizando o receio dos passantes, quanto à possibilidade de que alguma coisa possa escapar das mãos do pedreiro ou pintor que esteja trabalhando lá no alto, e lhes caia na cabeça.

 

            Dessa forma, a crença de passar por baixo de escada dá azar pode ser considerado como precaução, uma forma de evitar acidentes. Onde tem uma escada, geralmente há alguma obra, e passar por ali significa que o pedestre pode estar correndo o risco de que alguma coisa despenhe lá de cima e o atinja no crânio ou qualquer outra parte do corpo, ferindo-o até mesmo com alguma gravidade. Essa é uma probabilidade que não envolve nenhum misticismo, a não ser, é claro, que se queira acreditar nisso.

 

PROF. KIBER SITHERC

 

  

 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 14:52

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

pesquisar
 
favoritos

A ORIGEM DO RISO

mais sobre mim
blogs SAPO