Esoterismo, Lendas, Mitos, Parapsicologia, Auto-Ajuda. kiber-sitherc@sapo.pt

10
Mai 10

 

                  Lenda do centro oeste do Brasil

            Filho de negro trabalhador, Romãozinho nasceu vadio e malcriado. Tinha todos os dentes, fisionomia fechada, hábitos errantes, nenhuma bondade no coração.

            O seu divertimento preferido era maltratar animais e destruir plantas. Era um menino absolutamente perverso.

 

            Um dia, a mãe mandou-o levar o almoço para o pai que trabalhava num roçado, distante da casa.

            Romãozinho foi de má vontade. Pelo caminho, parou, abriu a cesta, comeu a galinha inteira, juntou os ossos, recolocou-os na toalhinha, e foi entregar ao pai.

            Quando o velho deparou ossos em vez de comida, perguntou que brincadeira sem graça era aquela.

            Romãozinho entendeu vingar-se da mãe, que ficara fiando algodão no alpendre da casinha:´

 

            - Foi o que me deram... Minha mãe comeu a galinha com um homem que aparece lá em casa quando o senhor não está por perto. Pegaram os ossos e disseram que trouxesse. Eu trouxe. É isso aí...

            O negro meteu a enxada na terra, largou o serviço e veio correndo. Encontrou a mulher fiando, curvada, absorvida na tarefa.

            Dando crédito ao que lhe dissera o filho, puxou a faca e matou-a.

 

            Morrendo, a velha amaldiçoou o filho que estava rindo:

            - Não morrerás nunca. Não conhecerás o céu, nem o inferno, nem o descanso enquanto o mundo for mundo...

            O marido morreu de arrependimento. Romãozinho desapareceu rindo ainda.

            Faz muito tempo que este caso sucedeu em Goiás.

 

            O moleque ainda está vivo e do mesmo tamanho; anda por todas as estradas, fazendo o que não presta; quebra telhas a pedradas, espanta animais, assombra gente, tira galinha do choco, desnorteia quem viaja, espalhando um medo sem forma e sem nome; é pequeno, preto, risão, sem ter fé nem juízo.

 

            Homens sérios têm visto Romãozinho, que vagueia por Minas Gerais até hoje, quebrando panelas e derrubando ferramentas nas casas de família.

           

            Não morrerá nunca enquanto uma pessoa humana existir no mundo.

            E, como levantou falso contra a própria mãe, nem mesmo no inferno haverá um lugar para ele...

 

PROF. KIBER SITHERC

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 17:52

A lenda q eu conheco é um pouco diferente dessa
lala a 10 de Agosto de 2012 às 14:08

A lenda q eu conheco é um pouco diferente dessa
lala a 10 de Agosto de 2012 às 14:08

eu achei terrivel esta historia,como pode o filho matar a mãe e ela o amaldiçoar que horror.
amanda a 16 de Dezembro de 2012 às 09:10

essa lenda é assustadora, pq este menino é o proprio encardido e se ele andas por minas gerais num quero ir nunk p lá e vcs nem desejem isto tamem... :-/
Mari a 7 de Janeiro de 2013 às 17:08

essa lenda e dita pelas pessoas em varias versoes
wender a 21 de Janeiro de 2013 às 11:55

a uns tempos atrás ele apareceu em Mato Grosso - sobe o nome de ET-BILU... rssss

sander a 11 de Junho de 2013 às 21:22

excelente tua historia parabes coloque outras
moacir a 24 de Junho de 2013 às 16:56

uau chega ate a gelar,um garoto ser culpado pela a propria morte da mãe e ainda rindo n da para acreditar
richard a 10 de Agosto de 2014 às 15:32

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

pesquisar
 
favoritos

A ORIGEM DO RISO

mais sobre mim
blogs SAPO