Esoterismo, Lendas, Mitos, Parapsicologia, Auto-Ajuda. kiber-sitherc@sapo.pt

02
Dez 09

 

 

            No ano 950, na Dinamarca, havia um homem muito violento, chamado Harppe, era temido por seus vizinhos, sempre em disputas e maltratando quem quer que seja.

            Um dia achou-se doente e este disse à esposa: “Eu nunca estive doente na minha vida, portanto, é provável que esta doença acabe com a nossa convivência. Quando eu morrer quero que escaves a minha sepultura na porta da cozinha, para eu cheirar a boa comida que fazes, coloca-me na sepultura de pé, para que eu veja tudo o que é feito na minha casa”. Vigdis, a sua esposa fiel, fez o que ele tinha ordenado.
            Passado uma semana, Harppe era visto com o seu espectro tenebroso na vila. Começou a matar os trabalhadores, e a assustar os vizinhos para que ninguém habitasse perto da casa dele. A situação começou a ser insuportável na vila.
 

 

            Houve um homem corajoso chamado Olaus Pa, este enfrentou o temível vampiro, esperou que esse aparecesse e quando o viu o horrendo espectro, lançou-lhe uma lança e ele desapareceu.
            Na manhã seguinte foram desenterrá-lo, encontraram o corpo intacto, e tinha a lança espetada no sítio onde tinha sido espetada. Eles levaram o caixão com o corpo e fizeram uma queimada, as suas cinzas foram lançadas no mar e ficaram livres do maldito vampiro para sempre.  
            Esta história fazia parye de uma grande colectânea nórdica de vampiros. Os Franceses: Charles Nodier (1780-1844), divulgaram no Ocidente, e mais tarde Plancy Collin inseriu no seu Dictionnaire Infernal (1863).
 
PROF. KIBER SITHERC
 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 20:16

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

pesquisar
 
favoritos

A ORIGEM DO RISO

mais sobre mim
blogs SAPO