Esoterismo, Lendas, Mitos, Parapsicologia, Auto-Ajuda. kiber-sitherc@sapo.pt

23
Jan 10

 

            O olhar é uma força poderosíssima. Pelo olhar podemos fascinar os nossos semelhantes cativá-los e comunicar-lhes os nossos pensamentos.
            Todavia, nem todos gozam, dum poder hipnótico do olhar suficientemente desenvolvido, para exercerem uma influência notável sobre os seus semelhantes. Mas o estudo exercido e inteligente é capaz de dar aos olhos um brilho penetrante e um poder fora do normal.
            O olhar é uma das primeiras faculdades do hipnotizador e, por isso, deve ser desenvolvido.
            É necessário que o olhar seja firme, brilhante, expressivo e dominador, sem contudo ser feroz com a expressão de querer aterrar as pessoas. A maneira de olhar constitui uma fonte de força e acção. Este é um dos pontos em que deve insistir, todo aquele que estuda a ciência do hipnotismo.
            O olhar directo ou olhar central, consiste em fixar a vista entre os olhos das pessoas, na raiz do nariz. No decurso de conversação, enquanto se está falando e, principalmente ao chegar ao ponto que mais nos interessa, deve-se olhar fixamente para a raiz do nariz e, assim conservar o olhar, enquanto estamos desenvolvendo as nossas ideias.
            Os exercícios que vamos passar a expor, desenvolverão altamente e em pouco tempo o poder hipnótico do olhar, a ponto de vos admirardes dos progressos obtidos.
 
            Primeiro exercício.     
            Sentai-vos comodamente defronte de um espelho.
            Relaxai os músculos, repousando as mãos abertas sobre os joelhos ou sobre os braços da cadeira.
            Olhai então fixamente e sem pestanejar a imagem reflectida, na raiz do nariz, entre os dois olhos.
            Permanecei assim pelo tempo que vos for possível, sem abusar da fadiga dos olhos.
            Este exercício, que deverá ser praticado duas vezes por dia, fará lacrimejar a princípio, mas com o tempo isso desaparecerá.
            É conveniente, no entanto, que, se tal suceder em demasia, se faça terminar o exercício para recomeçar mais tarde, quando a fadiga já tenha desaparecido.
 
            Segundo exercício.
            Colocai-vos no meio do quarto. Dirigi a vista para a aresta do diedro formado pelo tecto com a parede (isto sem levantar a cabeça), isolai-vos de todo o pensamento e percorrei com a vista, lentamente, a moldura que faz essa junção, de ponta em ponta, sem mexer a cabeça.
            Depois de algumas semanas, podeis simplificar este exercício fixando uma linha imaginária numa parede, nas águas tranquilas dum lago, ou simplesmente no espaço.
            Este exercício é praticado independentemente dos outros, a qualquer hora do dia.
 
            Terceiro exercício.
            Dando-se o caso de vos encontrardes num teatro ou cinema, sentado por detrás de alguém, fixai-lhe a nuca, sem pestanejar, esforçando-vos mentalmente para que essa pessoa se volte. Se tiverdes sorte e encontrardes um bom paciente, vê-lo-eis levar bruscamente a mão à nuca, olhar para trás, dando todas as demonstrações de se encontrar pouco à vontade; noutros a influência será nula ou quase nula.
            É de grande vantagem observar o aumento da firmeza do olhar que se consegue dia a dia, fazer quotidianamente um apontamento, designando data e tempo em que começa e termina o exercício e indicando a sua duração.
 
            Fazendo estes exercícios todos os dias e, possivelmente mais que uma vez ao dia, progredirá rapidamente. Não é necessariamente abrir desmedidamente os olhos nem fazer uma cara apavorada ou apavorante. Mesmo enquanto faz os seus trabalhos habituais não é difícil manter, de vez em quando, os olhos fixos e firmes, isto é, sem mover as pálpebras. Dentro de pouco tempo fará isto maquinalmente, e desenvolverá um olhar que fará baixar o olhar de todas as outras pessoas e, que influenciará as pessoas não exercitadas desprevenidas ou conhecedoras destes fenómenos.
            Não deverá fixar o Sol ou quaisquer luzes fortes, porque só lhe faria mal, podendo mesmo provocar uma irritação nos olhos.
            Pouco a pouco adquirirá um poder de penetração que perturbará quem o olhe, e o seu olhar de mirada magnética intensa terá uma acção que dominará muitas pessoas.
            Estes exercícios não têm qualquer acção nociva sobre a vista, desenvolvendo-a até muscularmente, alcançando um maior grau de penetração visual, o que evitará a usual “vista cansada”. E esta ginástica visual, pode melhorar muito a quem já tenha a vista cansada. Claro que, para quem tem a vista débil de nascença ou que use óculos, terá uma importante dificuldade; no entanto, não deve essa pessoa perder as esperanças, pois terá outros recursos para hipnotizar, sem ter que usar o olhar. Procure neste tag os vários processos de hipnotizar.
 
PROF. KIBER SITHERC
 
 
kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 15:04

Excelente vou fazer, foi uma explicação muito boa e objetiva.
Luis antonio a 17 de Setembro de 2017 às 04:25

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

pesquisar
 
favoritos

A ORIGEM DO RISO

mais sobre mim
blogs SAPO